x

Newsletter

Receba o conteúdo mensal :D

  • Mídias:
Michael E. Gerber

O mito do Empreendedor

  • Recursos:

Livro - O mito do empreendedor

Em “O mito do empreendedor” Michael Gerber discorre sobre a importância de uma visão total do negócio. Sem conhecimento de metodologias, sistemas ou técnicas, ficamos vulneráveis, o que por vezes nos leva a focar em um único aspecto do negócio, negligenciando vários outros. O livro é uma peça importantíssima no repertório de qualquer empreendedor que quer construir um negócio sólido para o futuro.

O mito do empreendedor é a crença que o trabalho em si resolve todas as coisas. É a visão que a execução técnica, o trabalho extremamente árduo, será a chave do sucesso. Muitos empreendedores iniciam suas empresas com uma visão. Contudo os desafios do dia a dia os levam a focar em um único aspecto do negócio. Todas as empresas são abertas por pessoas que têm uma ideia e sabem muito bem daquele assunto. Um programador que abre uma empresa de software, uma cozinheira que abre um restaurante, todos esses casos, são de empresas com um aspecto muito forte, o empreendedor é um técnico. Ele domina a prática e se torna essencial para a rotina diária do negócio. Quase todos negócios iniciantes passam por esse problema. O negócio precisa crescer, mas o empreendedor não confia em delegar suas funções pois não quer comprometer a entrega. Segundo o autor uma empresa só supera esse problema quando 3 características fortes direcionam o negócio: visão (empreendedor), execução (técnico) e organização (administrador). Todo negócio sem esses pilares alinhados, estão vulneráveis e possivelmente vão fracassar. Quando enxergamos o todo é fácil entender porquê um negócio fracassa. Sem um técnico o negócio pode ter visão e organização, mas não tem entrega. Com um técnico a empresa tem entrega, mas sem organização e visão de futuro ela não evolui, passa ano, entra ano, e a empresa continua estagnada. A harmonia entre os diferentes pilares, ditam a saúde e prosperidade da empresa.

O autor sugere a prática reflexiva e o uso de métodos e sistemas para a manutenção da empresa. Esse conceito é a pedra fundamental do livro “O mito do empreendedor” e é um valioso ensinamento. O conceito é denominado pelo autor de revolução turn-key.

Afirma o autor que qualquer empresa deveria funcionar sem o dono e mesmo sem ele a empresa deveria continuar crescendo. Todavia, isso só se torna possível em empresas organizadas e com processos sistemáticos. O melhor exemplo que podemos usar, citado inclusive pelo autor, é o sucesso das franquias Mcdonald’s. Não importa o lugar onde elas são abertas, elas sempre têm a mesma cor, estrutura, cardápio, softwares, uniformes, regras de conduta e horários de atendimento. A rede não depende do seu fundador para funcionar, ela depende de um universo de métodos, que direcionam o novo franqueado rumo ao controle de sua empresa. Quando você adquire uma franquia dessa, recebe um treinamento, conhece os sistemas e entende as dinâmicas do negócio. Dinâmicas como: fritar uma batata, pegar um refrigerante, chamar um cliente na fila, servir, fechar o lanche, separar para viagem e por aí vai. Se cada franquia dependesse de suas próprias regras, muitos estabelecimentos não iriam pra frente. Logo, uma franquia é algo testado, validado anteriormente e inteiramente documentado. Quando isso existe, o dono técnico já não se fez necessário. Ele transmitiu sua visão através de processos e agora qualquer funcionário treinado pode realizar as tarefas mais importantes. Esse processo é denominado Turn-Key (virar a chave), a empresa passa ser como um carro, uma vez idealizado e montado, basta girar a chave e começar a usar.

Fica claro que essa característica é a mais importante em uma empresa madura, são seus processos que conferem consistência ao negócio. Isso libera o empreendedor a otimizar o negócio, criar novas ideias e implementá-las, tudo isso com uma visão de franquia.

O autor nos convida a se perguntar: Como posso criar um negócio tão bem organizado e amarrado que ele poderia ser replicado em todos os estados do país, ou países do mundo?.

Quando uma empresa atinge esse nível de dinamismo e autonomia, ela não só alcançou a maturidade, como também está na pista expressa do crescimento.

Top 5 Aprendizados

  1. Turn-Key ( crie um protótipo, virou a chave, está funcionando ).
    Pense na empresa como uma franquia que precisa ser aberta em muitos outros lugares. Como organizar os processos, treinar funcionários ao ponto do fundador não ser mais necessário na rotina do negócio?
  2. Sistemas são essenciais para a saúde da empresa ( modelos que direcionam todas as operações da empresa ).
    Toda empresa precisa de organização, um jeito de fazer cada coisa. Documentar e afinar esse passo a passo é essencial para o treinamento de novos funcionários e crescimento do negócio.
  3. Consistência na execução dos processos.
    O autor conta que uma vez acabou parando em um hotel de beira de estrada por uma emergência. Conta ele que foi uma de suas melhores experiências com hotel em toda sua vida. Desde travesseiros afofados, balinhas de hortelã, lareira acesa e café preferido na cafeteira. O hotel acertou em tudo. Curioso, logo na manhã seguinte Michael foi procurar o gerente. Queria saber como tudo aquilo foi possível. Rapidamente o gerente apresentou o sistema da empresa e o checklist diário de cada funcionário. Não tinha como esquecer de nenhum detalhe.
  4. Os negócios fracassam porque focamos em uma área e abandonamos outras ( seja por falta de conhecimento ou interesse ).
    Muitos negócios fracassam porque o líder abdica das principais funções de um empreendedor. Por falta de conhecimento ou mesmo interesse, áreas administrativas ou de novos negócios são negligenciadas, levando a empresa a estagnação.
  5. A visão do todo é importante.
    Quando estamos no dia a dia da empresa, podemos facilmente nos distrair com as urgências. Assim passam-se os dias e continuamos ocupados com tanta coisa importante. É por isso que a visão do todo é tão necessária. Ela nos desaliena de nossa função e nos permite corrigir falhas globais da empresa. A visão do todo serve também pra vida. Muitas vezes estamos convictos de algo, mas basta ampliar um pouco o conhecimento e ficamos abismados com nossa limitação.

podcast

O mito do Empreendedor
Michael E. Gerber
Lucas Conchetto - 2020